Proprietários de hotéis, pousadas, restaurantes e sítios de agroturismo da região de montanhas do Espírito Santo estão animados com o fluxo turístico dos últimos meses, considerado superior, por alguns empresários, ao de antes do início da pandemia da Covid-19.

Mesmo com o importante fluxo turístico, cinco dos nove municípios que integram a região de montanhas estão classificados como risco baixo, de acordo com o último Mapa de Risco Covid-19, divulgado semanalmente pelo governo estadual.

Presidente do Montanhas Capixabas Convention & Visitors Bureau, o empresário Valdeir Nunes destaca que a previsão de que moradores do Espírito Santo e de estados vizinhos seriam o principal público das montanhas durante e pós-pandemia, se confirmou. No último mês de janeiro, a Casa do Turista, que é a sede do Convention e o principal ponto de informações turísticas da região, recebeu 11.324 visitantes de 19 Estados brasileiros e de países como Colômbia, Canadá, Alemanha, Estados Unidos da América e Paraguai.

“De maneira geral, as pessoas estão procurando mais por locais com muito verde, em meio à natureza e com muitas atrações. E temos tudo isso nas montanhas capixabas. Todos os estabelecimentos turísticos estão funcionando normalmente e seguindo todos os protocolos de prevenção à Covid-19”, destacou Nunes.

OCUPAÇÃO DE 95% – Valdeir Nunes, que também é diretor do Hotel Fazenda China Park, contou que a ocupação durante a semana, de setembro até os dias atuais, superou todos os períodos de anos anteriores. Segundo ele, em alguns momentos a ocupação chegou a 70% durante os dias de semana. Antes da pandemia, esse percentual não ultrapassava 30%.

“Aos finais de semana chegamos a 95% de ocupação. Acreditamos que após o Carnaval e com a volta às aulas, a ocupação média de hotéis e pousadas deve variar de 15% a 40% durante a semana, com maior ocupação naqueles que possuem atrações para as crianças. Aos fins de semana acreditamos em uma procura de 80% a 95%, já que com os filhos estudando, a alternativa será passeios principalmente aos finais de semana com a família”, acredita.

Diretor do Aroso Paço Hotel, de Pedra Azul, Gustavo Aroso afirmou que a demanda durante a semana aumentou cerca de 20%. “Aos finais de semana praticamente não tivemos baixa temporada. Normalmente sempre estivemos com boa ocupação. Mudamos alguns serviços para evitar aglomerações e estamos mantendo todos os protocolos sanitários”, contou.

Aroso constatou, também, que muitos dos atuais clientes são aqueles que costumavam viajar para o exterior. “O público que mais temos recebido são pessoas de mais perto, como Grande Vitória e alguns mineiros. Esse é o perfil mais comuultimamente”, enfatizou.

AGROTURISMO – O apicultor Arno Wieringa, do Apiário Florin, em Domingos Martins, que também é diretor da Associação Turística de Pedra Azul (ATPA), contou que o perfil dos visitantes mudou, e ele também garantiu que o fluxo é constante. “Aumentou a quantidade de clientes que procuram por um ambiente tranquilo, com qualidade de vida e que consomem produtos saudáveis. O destino de montanhas já é saudável por termos ar puro e espaços para relaxar, com contato próximo à natureza. E isso reflete positivamente para o turismo regional”, destacou.

Arno notou a presença de muitos clientes locais e que não conheciam os estabelecimentos como o dele. “Se por um lado, alguns deixaram de visitar a região, outros, que as vezes viajavam para outros locais, passaram a conhecer as montanhas. São turistas conscientes, que procuram mais informações sobre os produtos e que respeitam os protocolos sanitárias contra a propagação da Covid-19”, informou.Assessoria de Imprensa
Julio Huber
(27) 99988-7860

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui