A vítima realizava serviço de solda em um secador de café quando sofreu uma descarga elétrica

Um operário de 25 anos morreu na tarde desta sexta-feira (16) após sofrer uma descarga elétrica enquanto realizava serviço de solda em um secador de café na localidade de Santa Rosa, distrito de São José das Torres, em Mimoso do Sul.

Rodrigo da Silva Araújo Júnior atuava como auxiliar geral e estava trabalhando em companhia de um amigo, quando sofreu o choque. O outro operário estava dentro do secador fazendo a solda e quando saiu se deparou com o rapaz caído.

Um operário de 25 anos morreu na tarde desta sexta-feira (16) após sofrer uma descarga elétrica enquanto realizava serviço de solda em um secador de café na localidade de Santa Rosa, distrito de São José das Torres, em Mimoso do Sul.

Rodrigo da Silva Araújo Júnior atuava como auxiliar geral e estava trabalhando em companhia de um amigo, quando sofreu o choque. O outro operário estava dentro do secador fazendo a solda e quando saiu se deparou com o rapaz caído.A vítima realizava serviço de solda em um secador de café quando sofreu uma descarga elétrica (Foto: Beto Barbosa)A vítima realizava serviço de solda em um secador de café quando sofreu uma descarga elétrica (Foto: Beto Barbosa)

O secador de café está dentro de uma propriedade às margens da BR 101. O proprietário rural tentou socorrer o jovem, que parecia estar tendo uma convulsão. Ele fez massagem no tórax da vítima, na esperança de reanimá-lo, mas não conseguiu.

O dono da serralheria onde Rodrigo trabalhava, José Alberto da Silva, disse que estava em casa, quando o outro operário ligou avisando-lhe sobre o acidente. Beto, como é mais conhecido em Mimoso, acionou o Samu 192 e foi ao local onde o operário estava.

“Fui ao hospital pedir a vinda do Samu e vim para cá. Quando cheguei, ele já não respirava mais. O Samu chegou, fez o serviço padrão, uma ambulância da prefeitura também deu apoio, mas infelizmente ele veio a óbito”, explicou Beto.

A suspeita é que Rodrigo tenha encostado, por acidente, no alicate da solda e sofreu a descarga elétrica. A perícia da Polícia Civil foi ao local e constatou que as feridas nas mãos dele eram compatíveis com as de choque.

“Ele estava trabalhando comigo havia sete dias. Era um rapaz muito bom, trabalhador, honesto. Foi um susto muito grande”, disse Beto, que ficou no local acompanhando os trabalhos da polícia e dando assistência à mãe do rapaz.

Fonte: Tribuna online

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui